»O Blog da Nossa Terra
Este espaço tem por objectivo estimular o convívio entre os Valdursenses. Aqui divulgaremos as actividades que envolvam os três povos da capelania: Casalinho, Foz do Pereiro e Vale D’Urso. Convidam-se todos os residentes, naturais e amigos das três aldeias a enviar os textos e fotos a publicar para o endereço "e-valedurso@sapo.pt"
Segunda-feira, 29 de Março de 2010
Os Bolos da Ti Stina da Atalaia e da irmã

Estas duas almas eram duas costureiras da Atalaia que vinham às nossas casas “costurar ao dia” tal como o sapateiro vinha “fazer sapatos ao dia” (o sapateiro da Figueira).

Recebiam a jorna, almoçavam e até, por vezes, petiscavam umas “buchas”. Eram duas criaturas baixinhas, adoráveis, que com os seus xailes pretos pela cabeça onde sobressaíam um ou dois dentes da frente uma bengala e pequena trouxa na mão vinham muito cedo para trabalhar no Vale d’ Urso. Como tinham que fazer perto de 5 quilómetros teriam que levantar-se muito cedo.

Esta história está a ser contada não pelos dotes de costura mas por outra história que me ocorreu.

Havia uma outra velhinha que com a ti Stina ia ás feiras e aos mercados vender um bolo que tinha o mesmo aspecto que um croissant mas neste caso mais espesso e naquele tempo ninguém sabia o que era um croissant. Este bolo era de pouco doce, e levava ovos, mel pouco e uma pitada de limão. A verdade é que fazíamos fila para compra-lo. Ainda hoje tenho a imagem destas senhoras vestidas de negro com xaile na cabeça sentadinhas nuns “Mochos” baixos ao lado uma da outra, a tirar os bolos de um cesto que tinham levado à cabeça. O local era na rua ao lado direito da porta de entrada da Igreja Matriz em Proença-a-Nova onde havia uma tasca que vendia sandes de atum em pão farto e com “Champorrion” (isto era café de cafeteira com vinho e açúcar) Naquele tempo nós que tínhamos dez ou doze anos bebíamos estas mistelas doces com álcool como se fosse uma limonada. Possivelmente foi por isso que a minha triste cabeça nunca foi por aí além.

A verdade é que foram bons tempos.

Autor: Sebastião Pires

Publicado por Sebastião da Mata Alves às 18:47
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 9 de Março de 2010
Os Contos (histórias) no Inverno à fogueira

 

 

Tenho saudades da minha infância, da vida que tinha, dos familiares e dos amigos de então. Tenho saudades do Inverno no Vale d’Urso, a aquecer-me à fogueira, quando não tinha que estudar o “vocabulário” e quando toda a gente já tinha comido a “Seia”.
Bom tempo, aquele em que as pessoas já entradas na idade, possivelmente com a idade que tenho hoje e que me pareciam muito velhos e eu hoje não quero sentir-me velho, mas outros o dirão de mim. Esses, já cheios de experiência, contavam as histórias dos negócios do mercado ou da feira, contavam histórias da “Ceifa”e contavam as histórias dos “Medos” que apareciam de noite no “cano das duas bocas”, dos mortos que fugiam dos “esquifes” ou que acordavam e faziam fugir todo o mundo. Histórias da tropa que normalmente envolviam o cabo ou o sargento da companhia.
A maioria já partiu e agora não se contam histórias á fogueira. A televisão conta-as, pré-fabricadas dos “canos de duas bocas” da América e o Computador liga-nos à Austrália, ao Brasil e aos Estados Unidos em segundos. Vivemos épocas que não adivinhamos lembranças no futuro das nossas crianças, por certo serão outras as histórias.

O Assis Pacheco no Programa “ A Cornélia” dizia sobre as mulheres bonitas que ele conheceu quando era novo “ As Belas do meu tempo”.

 

(Autor: Sebastião Pires)

Publicado por Sebastião da Mata Alves às 20:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
»Vale D'Urso
»Localização

Ver mapa maior
»Pesquisar neste blog
 
»O nosso vocabulário
Chamiço -> Lenha miúda; Graveto
Pramorde -> Por mor de
Ougadouro -> pau com uma cabaça na extremidade
Ougar -> regar a horta com um Ougadouro
Telhador -> Tampa de uma panela
Parriba -> para cima
Morrinha -> chuva miudinha
Ingremença -> invenção, engenhoca
»Pensamentos e Provérbios:

O comportamento é um espelho em que cada um revela a sua imagem.
Johann Goethe
»Associação Valdursense



A Associação tem por fim a promoção sócio-cultural, desportiva e recreativa dos seus associados.
»NOTÍCIAS DA ASSOCIAÇÃO
A DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO VALDURSENSE LEMBRA TODOS OS SÓCIOS QUE A FESTA EM HONRA DE NOSSA SENHORA DA GUIA SE VAI REALIZAR NOS PRÓXIMOS DIAS 2, 3 E 4 DE SETEMBRO.
»Links
»Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31
»Moderador
blogs SAPO
»Visitantes
»Arquivos

» Agosto 2017

» Dezembro 2016

» Novembro 2016

» Outubro 2016

» Setembro 2016

» Agosto 2016

» Fevereiro 2016

» Dezembro 2015

» Novembro 2015

» Outubro 2015

» Abril 2015

» Março 2015

» Outubro 2014

» Setembro 2014

» Agosto 2014

» Fevereiro 2014

» Novembro 2013

» Outubro 2013

» Setembro 2013

» Agosto 2013

» Abril 2013

» Março 2013

» Fevereiro 2013

» Janeiro 2013

» Novembro 2012

» Outubro 2012

» Junho 2012

» Abril 2012

» Março 2012

» Janeiro 2012

» Dezembro 2011

» Novembro 2011

» Outubro 2011

» Setembro 2011

» Agosto 2011

» Abril 2011

» Março 2011

» Dezembro 2010

» Novembro 2010

» Outubro 2010

» Setembro 2010

» Agosto 2010

» Junho 2010

» Abril 2010

» Março 2010

» Janeiro 2010

» Dezembro 2009

» Novembro 2009

» Outubro 2009

» Setembro 2009

» Agosto 2009

» Julho 2009

» Junho 2009

» Maio 2009

» Abril 2009

» Março 2009

» Dezembro 2008