Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vale D'Urso

É uma linda aldeia do Concelho de Proença-a-Nova sendo de realçar a ponte construída no ano de 1896 e a ribeira de águas limpas que a atravessa.

É uma linda aldeia do Concelho de Proença-a-Nova sendo de realçar a ponte construída no ano de 1896 e a ribeira de águas limpas que a atravessa.

O Blog da Nossa Terra

Este espaço tem por objectivo estimular o convívio entre os Valdursenses. Aqui divulgaremos as actividades que envolvam os três povos da capelania: Casalinho, Foz do Pereiro e Vale D’Urso. Convidam-se todos os residentes, naturais e amigos das três aldeias a enviar os textos e fotos a publicar para o endereço "e-valedurso@sapo.pt"

A TI MARIA E O TI MANEL LOURO

AUTOR: tugareg 

 

…nessa noite Maria estava mais estranha que de costume, sempre se sentia insegura com o cabanão repleto de Atalaeiros a dormir na palha.

E era só nessa hora, antes de adormecer que lhe sobrevinham esses medos, antes quando estava na venda servindo-lhes copos de três, tudo era mais claro, quem sabe a oportunidade de negócio acrescido, lhe suavisasse a insegurança, no entanto mesmo nessa altura, Maria, receosa bem sentia os olhares.

Apesar de o seu aspecto ser austero e as suas roupas castanhas a taparem por completo, pelo rosto que ficava a descoberto por debaixo do lenço podendo-se avaliar o restante, e se muitos achavam o rosto de Maria belo, um havia que o conhecia todo.

Nessas horas de ceias tardias, em que se dava abrigo  a quem presisasse, homem ou besta, Atalaeiro ou Maltês, o Manel Louro zelava por tudo o que era dele, as suas riquezas, poucas, mas valiosas, uma mula no cabanão a meias com um vizinho, a Maria e três filhas que por essas horas já dormiam no andar de cima.

O Manel Louro, de alcunha que não de nome, tinha outros pretences onde cavava o sustento da familia, mas o seu maior bem era a sabedoria, que ninguem sabia onde a fora buscar, talvez nas noites de relento, quando ia á ceifa a Espanha e com saudades não dormia.

Antes, e pelo tempo que demora a rezar duas Ave Marias e um Pai Nosso, estava o Manel, Louro de alcunha não de nome, a enxotar os ultimos hospedes, que de embriagados já não se comportavam, apesar de os ultimos copos de vinho já estarem baptizados e serem do pior barril, que a eles já lhes não fazia diferença, insistiam em beber mais, por fim lá se foram, umas palavras mais ásperas, depois uns risos, as botas a bater no empedrado da estrada, algumas palavras mais, Maria com os ouvidos fora das mantas, tentava perceber se era finalmente o sossego que chegava, de novo as botas a bater no empedrado, foram-se aliviar, pensou, o gingar do portão de madeira ouviu-se, mais alguns ruidos próprios de quem está prestes a render-se á noite, mais um ligeiro restolhar, e finalmente o silencio, Com ele os medos de Maria também ficavam mais fortes…

Atenta, continua a tentar decifrar pelos sentidos, muito activos nessa noite, as razões para os medos, um lobo uiva ao longe e talvez nos eucaliptos um mocho pia, a esses está Maria habituada, finalmente, trazido por uma luz ténue de uma candeia de azeite chega o seu Manuel, espreita no quarto, certificando-se da ausência de ameaças nos cantos escuros do quarto, talvez sabendo que com esse gesto, sossegaria a Maria, depois abala e vai-se sossegar ele mesmo ao quarto das filhas, dormem e ele acacha-lhes as mantas antevendo o frio que se advinha.

Deita-se, já sentindo o aconchego de um lugar aquecido, por uns momentos o silencio é total.

Manuel! Ouves ? parece que alguem está dentro de casa! Manuel senta-se na cama e aguça os ouvidos, não ouve nada.

Deve ter sido o gato! Maria agarra-se ao braço dele

Grandiosa bondade tinha o Manel, Louro de alcunha, não de nome, sabendo que Maria não era exigentee razões teria suas para assim estar,e para a sossegar, decidiu levantar-se e ir passar uma ronda pela casa, acossado pela ideia que embora os Atalaeiros  fossem gente de paz, tocado pelo vinho um homem confunde-se até com a própria sombra, e também viu como um deles olhava para a Maria.

 O sono, o ciume, o medo que tão bem disfarçava, ou o querer fazer tudo para agradar á Maria, sabendo que ela só muito raramente ficava assim, com mais medos que o costume, fizeram-no ouvir os mesmos ou outros barulhos que ela ouvia.

Imaginou as janelas e portas de casa com fechos de madeira que se mal seguram o vento, não seriam dificuldade para um homem mesmo bêbado se o movesse a luxuria ou a sede de mais vinho, pensou nas filhas e na Maria.

Uma luz de fosforo rompe na escuridão e Manuel acende de novo a candeia.

Onde vais meu querido?

Lá abaixo buscar a fouce, que outras armas não as tinha em casa, ainda pensou na faca de matar porcos, mas se nunca a usou para esse fim, talvez por amizade aos ditos que criava, menos lhe serviria com um homem.

Manuel foi abalando com a luz escada abaixo e Maria ficou novamente só com os sons, rangidos de quem desce degraus velhos de madeira, depois ouviu o som metálico do destino misturado com a desgraça, que mais não eram a fouce tinindo nuotras ferramentas, a sua ansiedade aumentava, de novo rangidos dos degraus de madeira, agora de quem sobe, ouviu também o som do que lhe pareceu o postigo do quarto por cima da cozinha, se alguem entrasse por aí chegaria primeiro, o desconhecido entrepunha-se entre ela e o Manuel, chorou baixinho e esperou o tempo que lhe pareceu que demoraria uma Salvé Rainha se tivesse tido a lembraça de a rezar, fechou os olhos e puxou as mantas para cima da cabeça tentando calar os sons e os medos.

Abriu os olhos, desta vez era o seu Manuel que trazia a luz na mão, ele deitou-se e abraçou-a com amor.

Algum tempo depois ambos adormeceram, pelo meio o Manuel lá encontrou uma maneira de  sossegar a Maria.

Que se saiba, se mais alguma vez Maria se viu nestes medos, não o contou a ninguem e disso não há evidências, dos anteriores há a Maria de Lurdes Ribeiro, que mais tarde viria a ser Doutor por casamento, pelo meio há o Louro, agora nome e não alcunha que ela e os filhos passaram a ter por um parente incubido de fazer o registo da criança ter respondido ao escriturario que os pais da catraia se chamavam;

Ela, Maria Ribeiro e ele Manuel Louro.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pensamentos e Provérbios:


O comportamento é um espelho em que cada um revela a sua imagem.
Johann Goethe

O nosso vocabulário

Chamiço -> Lenha miúda; Graveto
Pramorde -> Por mor de
Ougadouro -> pau com uma cabaça na extremidade
Ougar -> regar a horta com um Ougadouro
Telhador -> Tampa de uma panela
Parriba -> para cima
Morrinha -> chuva miudinha
Ingremença -> invenção, engenhoca

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

NOTÍCIAS DA ASSOCIAÇÃO

A DIRECÇÃO DA ASSOCIAÇÃO VALDURSENSE LEMBRA TODOS OS SÓCIOS QUE A FESTA EM HONRA DE NOSSA SENHORA DA GUIA SE VAI REALIZAR NOS PRÓXIMOS DIAS 2, 3 E 4 DE SETEMBRO.